sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Maníacos Em Busca Da Salvação

Um milhão de anjos em cólera gritam nas assembléias de cinza OH
Cidade de lábios tristes e trêmulos onde encontrar asilo na tua face?
Roberto Piva

Sentada na extremidade trêmula do abismo de seu dormitório,
Subindo cada andar com o máximo de desespero
Antes que as asas arrancassem do corpo e
Suas feridas comessem todos os insetos imaginários;
Um pulo e outro rumo ao centro da gaiola de ossos.

Sentada na extremidade, quase queda,
Do abismo que carregava em suas mãos
As portas se abriram sob seus pés
Com todos os seus crimes e armas para a libertação.

A fuga estava próxima, ao alcance dos lábios e
As lágrimas enxugavam-se a cada sensação de distância,
Embora Jesus beijasse a boca de seu companheiro e
O carro fosse rápido entre as nuvens escuras e o clarear do dia
Saltando todos os telhados com nossos delírios alcoolizados,
Fome nos olhos e carregando a bagagem como um caracol em mudança.

Conseguimos escalar várias paredes;
Criar pontes sobre o vão que perseguia nossas pernas.
Mas nossas penas de anjo logo se decomporam
Quando a chuva de luz solar nos atingiu:
Caímos sem pára-quedas para fora de nós mesmos,
Maníacos abandonados à deriva,
De volta ao “parapeito frágil do destino”.
.
.
Demetrios Galvão
(poema do livro Fractais Semióticos, FUNDAC, 2005)

Um comentário:

  1. "E a imagem no espelho continua a mesma..."
    Gostei do post.

    ResponderExcluir